Psicologia Positiva no Mundo Real

saketh-garuda-268190

A apresentação da psicologia positiva no campo científico, suas aplicações e principais conceitos foram os temas das duas últimas postagens no blog (caso não tenha lido, sugiro que leia os textos antes de ler este post, assim entenderá o assunto com mais profundidade). Para finalizar os destaques do artigo exploratório de literatura sobre psicologia positiva escrito por Seligman e Csikszentmihalyi (2000), comentaremos alguns dos achados que foram evidenciados no estudo.

Um dos pontos que chamam a atenção pode até parecer óbvio, mas ainda vivemos tempos difíceis quando falamos em políticas sociais. A literatura aponta que estudos cross-culturais relacionaram condições macro sociais e felicidade, ou seja, pessoas que vivem em sociedades com políticas públicas que atendam às suas necessidades básicas e auxiliam na construção do bem estar de seus cidadãos tendem a apresentar índices maiores de felicidade populacional.

Além do dado em si, relacionando políticas públicas e bem-estar, uma informação que se sobressai neste achado é o elemento cross-cultural, uma metodologia que leva em consideração diferentes culturas para construção da amostra estudada, minimizando variáveis relativas à cultura nos resultados (no caso, podemos pensar que talvez existam culturas mais felizes que outras, mas ao se considerar uma amostra multi-cultural, podemos chegar a um dado mais “limpo” do que realmente eleva ou diminui a felicidade do ser humano, independentemente de sua cultura).

Outros pontos de destaque dizem a respeito da resiliência, apontando paradoxos interessantes, como o de que os adultos mais criativos se desenvolveram em condições acentuadamente adversas, ou de que revoltas nacionalistas contra regimes opressivos, geralmente, são sucedidas por grande frequência de resultados positivos. Tais dados nos levam a pensar que a adaptação a situações adversas gera a criação/aprimoramento de recursos internos que aumentam o repertório emocional e de competências de indivíduos e sociedades, servindo de suporte para enfrentar as dificuldades e, em tempos melhores, maximizar as realizações possíveis. Arriscaria dizer, em outras palavras, que épocas turbulentas, tanto para pessoas quanto para comunidades e nações, geram terreno fértil para a criatividade e expansividade.

De fato, quando pensamos na teoria da evolução, vemos que a adaptação à ambientes hostis é a grande chave para a sobrevivência, então a questão central para a evolução social está ligada em adaptar-se aos contratempos, desenvolvendo, aprimorando e transformando as capacidades do sujeito, o que potencializa sua habilidade para conversão de um ambiente desfavorável em favorável.

Por fim, as pesquisas em psicologia positiva relacionadas à saúde despontam como um tópico muito relevante no estudo, dado impacto visualizado no bem-estar físico das pessoas. Os achados apontam que indivíduos que possuem uma perspectiva mais positiva acerca de seus quadros são mais propensos a apresentar os sintomas das doenças mais tardiamente, além de apresentarem maiores índices de sobrevida. Ademais, estes indivíduos tendem a desenvolver hábitos que melhorem sua qualidade de vida física e social.

Existem indícios que denotam que o comportamento positivo pode retardar o desenvolvimento de doenças, contudo, ainda não se apresentaram estudos conclusivos sobre este tema.

Após entender as ideias principais da psicologia positiva, é possível compreender que esta ciência se dedica a estudar quais fatores (biológicos, psicológicos, sociais e espirituais) auxiliam na construções que promovam o bem estar, através de métodos científico, gerando conhecimento para que pessoas, instituições e sociedades possa ser mais felizes.

Referência Bibliográfica

Seligman, M. E. P. & Csikszentmihalyi, M. (2000). Positive Psychology: An Introduction. American Psychologist, 55 (1) 5-14

Photo by Saketh Garuda on Unsplash

Nota

Este post não tem por finalidade debruçar-se sobre todo o tema utilizando-se de métodos de pesquisa científica, mas explorar as ideias explanadas em trabalhos científicos a respeito do tema.

Sobre Daniel Alkmin

Psicólogo pela Universidade Santo Amaro, com sólida atuação em Recursos Humanos e Educação, curioso sobre os temas relativos a auto realização.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s